Não tenhas pena dos Atletas Paralímpicos
16 Setembro, 2016
O que levar na Mala de Viagem?
17 Setembro, 2016

De que é feito um átomo?

Os átomos são os “tijolos” de que o mundo é feito.

Tudo é constituído por átomos. Pegue, por exemplo, numa laranja. Corte-a em duas metades. Depois continue a cortá-la em fatias. Imagine que a corta em dezenas de fatias. O que obtém? Várias fatias cheias de átomos. Continue a cortar uma dessas fatias, acabará por isolar um único átomo – um bocado ínfimo que já deixou mesmo de ser laranja.

A palavra átomo significa algo que não pode ser mais cortado.

Os átomos são os “tijolos” de que o mundo é feito. Animais, casas, bolas de futebol, roupas, a cadeira onde está sentado ou o computador onde está a ler este artigo, todos são feitos de átomos ligados uns aos outros.

O mundo é uma gigantesca construção «Lego». Quando desmonta uma casa da «Lego» nas suas peças isoladas, não encontra uma casa mais pequena, mas sim blocos separados. O mundo é feito como um jogo de «Lego» composto por noventa e dois tipos de tijolos diferentes entre si: os átomos.

A palavra “átomo” significa “algo que não pode ser cortado”. Seria por isso que um átomo não pode ser cortado em duas metades? Isso era o que se pensava.

Quando «cortamos» um átomo em bocados, encontramos, mesmo no centro, uma bola minúscula. Chama-se núcleo do átomo. À volta deste núcleo encontram-se bolas ainda mais minúsculas chamadas electrões. De facto, os electrões são tão minúsculos que até podem nem sequer ter tamanho. Andam à volta do núcleo como abelhas à volta da colmeia.

Por que motivo é que os electrões ficam junto aos seus núcleos?

Tudo isso se deve a uma coisa chamada carga elétrica. Esta apresenta-se de duas maneiras: carga positiva existente nos núcleos e carga negativa nos electrões. A carga positiva e negativa atraem-se mutuamente; gostam de ficar juntas. É a esta força elétrica que impede os electrões de se dispersarem.

Um átomo é espaço vazio. Se conseguires imaginá-lo do tamanho de um estádio de futebol, terás de pensar que o núcleo não será maior que uma bola de golfe. Quanto aos electrões, e considerando a mesma escala, estes não seriam maiores do que ervilhas girando à volta da bola de golfe.

O que leva os noventa e dois átomos a serem diferentes entre si?

Duas coisas. Em primeiro lugar têm núcleos de tamanhos diferentes. Em segundo têm um número diferente de electrões. O mais leve de todos tem apenas um electrão; o próximo tem dois electrões e o seguinte já tem três; e por aí fora… até ao mais pesado de todos que tem noventa e dois electrões!

Quando os átomos se juntam, os electrões reorganizam-se à volta dos seus núcleos de forma a que os diferentes átomos se fixem entre si. Os electrões dispõem-se exatamente como os cubos da «Lego», os quais encaixam as partes proeminentes nas cavidades correspondentes. De igual modo, tal como conseguimos toda a espécie de formas e objetos com o mesmo conjunto de «Lego» – uma casa, um carro, um barco, etc – também assim conseguimos formar tudo que existe a partir dos mesmos noventa e dois tipos de átomo. As peças, simplesmente, são dispostas de forma diferente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *